Deixo a vida me despedaçar em sorrisos, lágrimas, abraços, partidas, esperas, chegadas, esperanças renascidas.
Sou retalho alinhavado pela poesia.


Renata Fagundes


"... sejamos delicados e se necessário for, cruelmente delicados..." Affonso Romano de Sant'Anna









17 de fevereiro de 2011

Singularidade












"Tinha um jeito singular de fechar os olhos quando experimentava emoção bonita, coisa de segundos e coisa imensa. Era como se os olhos quisessem segurar a lindeza do instante um bocadinho, o suficiente para levá-lo até o lugar onde o seu sabor nunca mais poderia ser perdido.''

Ana Jácomo










8 comentários:

  1. Re, adoro esse poema de Ana, tudo que ela escreve é como uma prece... acalenta nossos coracoes e nossas almas...
    Adoreiiiii as novas japonesinhas espalhadas por aqui... tudo lindo amiga!!!
    Bj com carinho

    ResponderExcluir
  2. Somos cativados pelos pequenos gestos, como uma risada gostosa e incontida, olhar de raio-x em nossa retinas, ou simplesmente a vibração que fica no ar quando estão juntos no mesmo lugar.

    Somos atraídos pelo simples e singular jeito de amar.

    Beigigrandi!

    ResponderExcluir
  3. A Ana é fantástica, eu adoro as coisas que ela escreve. Preciso levar a lindeza pra um lugar bem distante.
    Beijos.

    @laibrisa

    ResponderExcluir
  4. Eternizar assim a vida...Fechando os olhos e repousando para o sonho eterno.

    ResponderExcluir
  5. Boa noite...

    tem um selinho para você no meu blog, passa lá para pegar seu presente.

    Bjs, Tata
    tatapalavrasaovento.blogspot.com

    ResponderExcluir
  6. Tenho quase certeza que também li esse texto em outro lugar, essa semana ainda! Excelente gosto, hihi.

    ResponderExcluir

Coisa boa de chamego