Deixo a vida me despedaçar em sorrisos, lágrimas, abraços, partidas, esperas, chegadas, esperanças renascidas.
Sou retalho alinhavado pela poesia.


Renata Fagundes


"... sejamos delicados e se necessário for, cruelmente delicados..." Affonso Romano de Sant'Anna









14 de maio de 2012

O que dilacera










"leio cada cicatriz de sua pele. descubro falhas com os lábios. redesenho molhando as linhas, a língua. aquarela em minha boca. e quando acorda ela tem novas manchas nas costas. cortes nas coxas.. desconheço minha força na sua carne fraca. ela é meu brinquedo quebrado. a minha dor mais lavada e meu amor mais fundo. a ferida mais aberta. e quando beijo seus olhos com medo não entende. adormeço feliz com ela em meus braços. e sou feliz com ela em meus abraços."

Sana Tessmann









5 comentários:

  1. Não há coisa melhor do que acordar que a gente ama! =D

    ResponderExcluir
  2. Adorei o texto, tanto que fui atrás da autora... muito boa!

    Bjo

    ResponderExcluir
  3. "minha feridade mais aberta." Lindo texto.

    ResponderExcluir
  4. lindo texto, lindo tudo aqui! como sempre, :)

    ResponderExcluir
  5. Estou alegre por encontrar blogs como o seu, ao ler algumas coisas,
    reparei que tem aqui um bom blog, feito com carinho,
    Posso dizer que gostei do que li e desde já quero dar-lhe os parabéns,
    decerto que virei aqui mais vezes.
    Sou António Batalha.
    Que lhe deseja muitas felicidade e saúde em toda a sua casa.
    PS.Se desejar visite O Peregrino E Servo, e se o desejar
    siga, mas só se gostar, eu vou retribuir seguindo também o seu.

    ResponderExcluir

Coisa boa de chamego